A perda de audição é uma condição quase inerente ao normal processo de envelhecimento das pessoas. Inclusivamente tem um nome próprio que é: Presbiacusia.

Existem efetivamente casos excepcionais de pessoas que conseguem manter um nível de audição ótimo até uma idade muito avançada.

No entanto, para a generalidade das pessoas o passar das décadas é acompanhado de perda da audição progressiva, principalmente nos sons mais agudos (frequências mais elevadas).

Inicia-se habitualmente na 4a década e é irreversível.

É preciso ter em atenção que é frequente que, na fase inicial, o próprio não dê conta da situação e que sejam familiares ou amigos a notar as primeiras alterações.

Considera-se muito significativo quando se associa a perda médias superiores a 40 dB. Nestes casos a comunicação oral é já bastante difícil.

Estas situações são frequentes a partir dos 60/70 anos e devem ser referenciadas para consulta de Otorrinolaringologia para observação, realização de exames de audição (audiograma) e se necessário referenciação para tratamento.

A ausência de tratamento destes casos implica que as pessoas em causa tenham uma dificuldade crescente em comunicar. 

Os problemas na comunicação vão impedir a interação em família, com amigos e até no trabalho.

Ora, os seres humanos necessitam de socializar para manter os níveis de bem estar e a sensação de felicidade.

A dificuldade de interação leva a que a pessoa se isole contribuindo para processo depressivos e de demência, que por sua vez, vão colocar ainda mais entraves à interação social, começando a agravar a situação numa lógica de bola de neve.

O tratamento na maior parte dos casos implica o recurso a proteses auditivas.

Estas próteses permitem aproveitar ao máximo o que resta de função auditiva, recorrendo a tecnologia complexa.

O momento do início do uso de próteses auditivas e o tipo concreto de próteses a usar têm de ser adaptados caso a caso, tendo em conta a perda exata de audição em cada ouvido, nos diferentes tipos de sons e o nível de exigência da pessoa em causa no que toca à qualidade de vida.

  • (+351) 961 599 999
  • geral@joaobarosa.pt
  • Aveiro

Acompanhe-me:

© 2018 João Barosa | Todos os direitos reservados

Feito por: