A apneia corresponde a um período de tempo no qual se pára de respirar durante vários segundos.

Durante o sono normal, a musculatura que envolve a via aérea relaxa, diminuíndo o diâmetro do tubo por intermédio do qual respiramos.

Em alguns casos fora dos parâmetros normais, a via aérea pode tapar-se completamente dando origem a apneias.

No decorrer de uma apneia obstrutiva, o nível de oxigénio no sangue vai diminuindo. A redução do nível de oxigénio liga o sistema de “despertar” do nosso cérebro. A ativação desse sistema de “despertar” vai-nos acordando progressivamente até que a respiração acaba por ser retomada, terminando a apneia. O despertar em si implica a libertação de substâncias como a adrenalina, que pode provocar picos de pressão arterial. Estes picos de pressão arterial, ao longo de anos repetem-se milhares de vezes, contribuindo para o envelhecimento acelerado da parede dos vasos sanguíneos. Por sua vez, este envelhecimento aumenta o risco de rotura de um vaso sanguíneo, que caso ocorra em zona nobre (cérebro, coração, rim, etc.) pode ter consequências catastróficas.

Em suma, se conseguirmos reduzir o número e intensidade dos episódios de apneia diminuimos o risco de AVC (Acidente Vascular Cerebral – rotura ou bloqueio de vaso sanguíneo no cérebro), enfarte do miocárdio (bloqueio de vaso sanguíneo no coração) entre outros eventos graves.

A medição da gravidade das apneias deve ser feita por exame denominado Polisonografia. Durante este exame o doente dorme com uma série de sensores (medidores de oxigénio, pressão arterial, movimentos torácicos assim como microfone entre outros).


O tratamento da apneia obstrutiva é feito a vários níveis:


Medidas gerais:

– Exercício físico regular para fortalecimento muscular.

– Redução de peso – se peso excessivo.

– Abstinência de álcool e medicamentos para dormir à noite.

– Padrão de sono regular (deitar e levantar mais ou menos à mesma hora).

– Higiene/Desinflamação nasal.

– Almofada ortopédica.

– Goteira (para avanço de mandíbula e abertura da via aérea).

– Fixação de bola de ténis nas costas do pijama (para impedir posição de “deitado de costas” que aumenta a obstrução da via aérea por facilitar a queda da língua).

Uso de ventilador:

– Motor que injeta ar pressurizado por intermédio de uma máscara para dentro da via aérea (boca e/ou nariz) de modo a impedir o colapso/encerramento da via aérea.


Tratamentos cirúrgicos
 – com intuito de aumentar a permeabilidade da via aérea:

– Septoplastia/Rinoseptoplastia.

– Avanço geniohioideu.

– Cirurgia ortognatica (avanço da mandíbula e/ou osso maxilar) – Âmbito da Cirurgia Maxilo-Facial.

 

  • (+351) 961 599 999
  • geral@joaobarosa.pt
  • Aveiro

Acompanhe-me:

© 2018 João Barosa | Todos os direitos reservados

Feito por: